Fístula arteriovenosa (FAV): acesso vascular para hemodiálise

Um acesso vascular é a salvação de um paciente em hemodiálise, porque possibilita tratamentos de hemodiálise que salvam vidas. A hemodiálise é um tratamento para insuficiência renal que usa uma máquina para enviar o sangue do paciente através de um filtro, chamado dialisador, para fora do corpo. O acesso é uma veia criada cirurgicamente usada para remover e devolver sangue durante a hemodiálise. O sangue passa por uma agulha e viaja através de um tubo que o leva ao dialisador. Dentro do dialisador, o sangue flui através de fibras finas que filtram os resíduos e o líquido extra.

A máquina devolve o sangue filtrado ao corpo através de um tubo diferente. Um acesso vascular permite que grandes quantidades de sangue fluam continuamente durante os tratamentos de hemodiálise para filtrar o máximo de sangue possível por tratamento. Cerca de meio litro de sangue flui pela máquina a cada minuto. Um acesso vascular deve ser colocado semanas ou meses antes do primeiro tratamento de hemodiálise.

Dois tipos de acesso vascular projetados para uso a longo prazo incluem a fístula arteriovenosa (FAV) e o enxerto (EAV). Um terceiro tipo de acesso vascular – o cateter venoso – é para uso de curto prazo.

O que é uma fístula arteriovenosa?

Uma fístula arteriovenosa (FAV) é uma conexão, feita por um cirurgião vascular, de uma artéria a uma veia. As artérias transportam o sangue do coração para o corpo, enquanto as veias transportam o sangue do corpo de volta ao coração. Os cirurgiões vasculares são especializados em cirurgia de vasos sanguíneos. O cirurgião geralmente coloca uma fístula arteriovenosa (FAV) no antebraço ou braço.

Uma fístula arteriovenosa (FAV) faz com que pressão extra e sangue extra

 

fluam para a veia, tornando-a grande e forte. A veia maior fornece acesso fácil e confiável aos vasos sanguíneos. Sem esse tipo de acesso, as sessões regulares de hemodiálise não seriam possíveis. As veias não tratadas não podem suportar inserções repetidas de agulhas, porque elas colapsam da mesma forma que um canudo colapsa sob forte sucção.

Os profissionais de saúde recomendam uma fístula arteriovenosa (FAV) sobre os outros tipos de acesso porque:

  • Fornece bom fluxo sanguíneo para diálise;
  • Dura mais do que outros tipos de acesso;
  • É menos provável que se infecte ou cause coágulos sanguíneos do que outros tipos de acesso.

Antes da cirurgia de fístula arteriovenosa (FAV), o cirurgião pode realizar um teste de mapeamento do vaso. O mapeamento de vasos usa o ultrassom Doppler para avaliar os vasos sanguíneos que o cirurgião pode usar para fazer a fístula arteriovenosa (FAV). O ultrassom usa um dispositivo, chamado transdutor, que emite ondas sonoras seguras e indolores dos órgãos para criar uma imagem de sua estrutura.

Um técnico espe

 

cialmente treinado realiza o procedimento no consultório de um profissional de saúde, em um ambulatório ou em um hospital. Um radiologista – um médico especializado em imagens médicas – interpreta as imagens. O paciente não precisa de anestesia para este procedimento. Um ultrassom Doppler mostra quanto e com que rapidez o sangue flui pelas artérias e veias para que o cirurgião possa selecionar os melhores vasos sanguíneos a serem usados.

Um cirurgião realiza a cirurgia de fístula arteriovenosa (FAV) em um ambulatório ou hospital. O procedimento de acesso vascular pode requerer pernoite no hospital. No entanto, muitos pacientes vão para casa depois. Um profissional de saúde usa anestesia local para anestesiar a área onde o cirurgião cria a fístula arteriovenosa (FAV).

Uma fístula arteriovenosa (FAV) frequentemente requer de 2 a 3 meses para se desenvolver, ou amadurecer, antes que o paciente possa usá-la para hemodiálise. Se uma fístula arteriovenosa (FAV) não amadurecer após a cirurgia, o cirurgião deve repetir o procedimento.

No início de uma sessão de hemodiálise, um profissional de saúde ou o paciente insere duas agulhas no acesso vascular. Uma agulha transporta sangue do corpo para o dialisador. O outro carrega o sangue filtrado de volta ao corpo. Para distinguir as agulhas, a agulha que transporta o sangue para longe do corpo é chamada de agulha arterial. A agulha que leva o sangue de volta ao corpo é chamada de agulha venosa. Alguns pacientes preferem inserir suas próprias agulhas no acesso vascular, o que requer treinamento para aprender a prevenir a infecção e proteger o acesso vascular. Não importa quem insira as agulhas, o paciente deve saber como cuidar da área de inserção da agulha para evitar infecções.

Se uma fístula arteriovenosa (FAV) não amadurecer, um enxerto (EAV) é a segunda escolha para um acesso vascular de longa duração.

O que é um enxerto arteriovenoso?

Um enxerto arteriovenoso (EAV) é um tubo de plástico enrolado que conecta uma artéria a uma veia. Um cirurgião vascular realiza cirurgia de enxerto (EAV), bem como cirurgia de fístula arteriovenosa, em um ambulatório ou hospital. Assim como na cirurgia de fístula arteriovenosa, o paciente pode precisar passar a noite no hospital, embora muitos pacientes possam ir para casa após o procedimento. Um profissional de saúde usa anestesia local para anestesiar a área onde o cirurgião cria o enxerto (EAV).

Um paciente geralmente pode usar um enxerto (EAV) 2 a 3 semanas após a cirurgia. É mais provável que um enxerto (EAV) do que uma fístula arteriovenosa (FAV) tenha problemas com infecção e coagulação. Coágulos de sangue repetidos podem bloquear o fluxo de sangue através do enxerto. No entanto, um enxerto bem cuidado pode durar vários anos.

Fazer o acesso vascular antes de iniciar a hemodiálise

Os pacientes devem estabelecer um acesso vascular bem antes de iniciar a hemodiálise, pois as fístulas AV e os enxertos AV precisam de tempo para amadurecer antes de estarem prontos para uso. Um profissional de saúde pode ajudar a agendar uma consulta com um cirurgião vascular bem antes de o paciente iniciar a hemodiálise, mesmo que o paciente esteja se sentindo bem. Dar um tempo de acesso vascular para amadurecer pode ajudar a prevenir problemas com veias estreitas, baixo fluxo sanguíneo e coágulos sanguíneos.

Antes do procedimento, os profissionais de saúde devem usar as costas da mão do paciente para retirar sangue para preservar os vasos sanguíneos do braço. Um profissional de saúde pode ensinar ao paciente exercícios simples que ajudam os vasos sanguíneos a crescerem para uso do cirurgião. Os mesmos exercícios ajudam a fístula arteriovenosa (FAV) a crescer após o procedimento.

O que é um cateter venoso?

Um cateter venoso central (CVC) é um tubo inserido em uma veia no pescoço, tórax ou perna perto da virilha, geralmente apenas para hemodiálise de curto prazo. O tubo se divide em dois depois que o tubo sai do corpo. Os dois tubos têm tampas projetadas para conectar-se à linha que transporta sangue para o dialisador e à linha que transporta sangue do dialisador de volta ao corpo. Uma pessoa deve fechar os grampos em cada linha ao conectar e desconectar o cateter dos tubos.

Se a doença renal progrediu rapidamente, o paciente pode não ter tempo para a colocação de uma fístula arteriovenosa (FAV) ou enxerto (EAV) antes de iniciar os tratamentos de hemodiálise.

Um nefrologista – um médico especializado em problemas renais – ou um radiologista intervencionista – um médico que usa equipamentos de imagem médica para realizar operações – realiza o procedimento de colocação de cateter venoso em um hospital ou centro ambulatorial. O paciente recebe anestesia local e sedação para ficar calmo e relaxado durante o procedimento.

Cateteres venosos não são ideais para uso a longo prazo. Com um cateter venoso, um paciente pode desenvolver um coágulo sanguíneo, uma infecção ou uma cicatriz na veia, fazendo com que a veia se estreite. No entanto, se um paciente precisar iniciar a hemodiálise imediatamente, um cateter venoso funcionará por várias semanas ou meses até que um cirurgião possa realizar uma cirurgia de acesso de longo prazo e a fístula arteriovenosa (FAV) ou o enxerto (EAV) tenham tempo de amadurecer.

Se a fístula ou a cirurgia de enxerto não for bem-sucedida, o paciente precisará de um acesso de cateter venoso de longo prazo. Quando um paciente precisa de um cateter venoso por mais de 3 semanas, o cirurgião fará um “túnel” do cateter sob a pele, em vez de inseri-lo diretamente na veia. Um cateter venoso  é mais confortável e tem menos problemas. Mesmo cateteres tunelizados, no entanto, podem ser infectados.

Que problemas um acesso vascular pode causar?

Todos os três tipos de acesso vascular – fístula arteriovenosa (FAV), enxerto (EAV) e cateter venoso – podem causar problemas que requerem tratamento adicional ou cirurgia. Os problemas mais comuns incluem infecção de acesso e baixo fluxo sanguíneo devido à coagulação do sangue no acesso.

A infecção e o baixo fluxo sanguíneo ocorrem com menos frequência em fístulas AV adequadamente formadas do que em enxertos AV e cateteres venosos. Ainda assim, ter uma fístula arteriovenosa (FAV) não garante que o acesso seja livre de problemas.

Os enxertos AV desenvolvem mais frequentemente baixo fluxo sanguíneo, uma indicação de coagulação ou estreitamento do acesso. O enxerto (EAV) pode então exigir angioplastia, um procedimento para alargar a parte estreita. Outra opção envolve a cirurgia no enxerto (EAV) para substituir a parte estreita.

Cateteres venosos são os mais propensos a causar infecção e problemas de coagulação. Se esses problemas se desenvolverem, a medicação pode ajudar. Os antibióticos são medicamentos que combatem as bactérias que podem causar infecção. Diluentes de sangue, como a varfarina, impedem a coagulação do sangue. Se esses tratamentos falharem, um nefrologista ou um radiologista intervencionista precisará substituir o cateter.

Como um paciente cuida e protege um acesso vascular?

Um paciente pode cuidar e proteger um acesso vascular ao:

  • Garantir que o profissional de saúde verifique o acesso em busca de sinais de infecção ou problemas de fluxo sanguíneo antes de cada tratamento de hemodiálise, mesmo que o paciente esteja inserindo as agulhas;
  • Mantendo o acesso sempre limpo;
  • Utilizar o local de acesso apenas para diálise;
  • Tomando cuidado para não bater ou cortar o acesso;
  • Verificando a emoção no acesso todos os dias. A emoção é a vibração rítmica que uma pessoa pode sentir sobre o acesso vascular;
  • Observar e relatar sinais de infecção, incluindo vermelhidão, sensibilidade ou pus;
  • Não deixar ninguém colocar um manguito de pressão arterial no braço de acesso;
  • Não usar joias ou roupas apertadas sobre o local de acesso;
  • Não dormir com o braço de acesso sob a cabeça ou o corpo;
  • Não levantar objetos pesados ​​nem pressionar o braço de acesso.

Alimentação, Dieta e Nutrição

Os pesquisadores não descobriram que a alimentação, a dieta e a nutrição desempenham um papel na causa ou prevenção de problemas com um acesso vascular.

Mais informações sobre comer bem durante a hemodiálise são amplamente divulgadas para que o paciente sinta-se bem na hemodiálise.

Pontos importantes:

  • Um acesso vascular é uma veia criada cirurgicamente usada para remover e devolver sangue durante a hemodiálise;
  • Uma fístula arteriovenosa (AV) é uma conexão, feita por um cirurgião vascular, de uma artéria a uma veia;
  • Os profissionais de saúde recomendam uma fístula arteriovenosa (FAV) sobre os outros tipos de acesso porque:
    • Fornece bom fluxo sanguíneo para diálise;
    • Dura mais do que outros tipos de acesso;
    • É menos provável que se infecte ou cause coágulos sanguíneos do que outros tipos de acesso.
  • Um enxerto (EAV) é um tubo de plástico enrolado que conecta uma artéria a uma veia;
  • Um cateter venoso é um tubo inserido em uma veia no pescoço, tórax ou perna perto da virilha, geralmente apenas para uso de curto prazo;
  • Cateteres venosos não são ideais para hemodiálise de longo prazo. Com um cateter venoso, um paciente pode desenvolver um coágulo sanguíneo, uma infecção ou uma cicatriz na veia, fazendo com que a veia se estreite;
  • Todos os três tipos de acesso vascular podem causar problemas que requerem tratamento adicional ou cirurgia. Os problemas mais comuns incluem infecção de acesso e baixo fluxo sanguíneo devido à coagulação do sangue no acesso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.